domingo, 4 de janeiro de 2009

2009 e mudanças


Ontem, lendo um post no Blog de Carolzinha (Foto Cotidiano), fiquei pensativa, comecei a divagar em relação as mudanças. Nas imagens lindas de Salvador, ela dizia que voltar à Salvador era matar saudades, morrer de saudades, relembrar porque ela foi embora e imaginar se um dia ainda volta de vez. Carol um dia acordou e odiou a falta de perspectivas de Salvador, fez as malas e foi pra São Paulo pra viver mais. Não tinha apartamento certo, nem emprego, mas a ansiedade por mudaça foi maior do que qualquer insegurança. E tudo se ajeitou. Eu, que sempre fui pé no mundo, já tinha morado nos Estados Unidos, França e Espanha, tinha um laço mais forte em Salvador, passava temporadas fora, mas adorava voltar. Amava a cidade e a verdade é que ela tem uma energia boa, é gostosa de morar (apesar de vários poréns). Mas também com o tempo, comecei a viver dias iguais, adivinhava o mês seguinte inteirinho, isso me deu um pânico absurdo.Há 1 ano e meio, pedi demissão, arrumei as malas e vim pra Holanda fazer minha segunda pós-graduação. Com inconvinientes, a saudade dilacerante de minha família e amigos, essa mudança me fez um bem maior: me estimulou. Descobri que minha personalidade não combina com rotina repetitiva. E sei que é coisa minha mesmo, antes de viajar fui cortar meu cabelo e meu cabelereiro me disse que amava rotina, ser transferido do salão do shopping para o da avenida foi um terror pra ele, que até a mesma comida come todos os dias. Segurança: Tem gente que precisa disso. Risco: eu preciso disso.

Também pensei em meu pai, de quem puxei a personalidade inquieta, aos 55 anos se especializou em uma nova cirurgia (implante coclear) que devolve a audição à pessoas que nunca ouviram. Ele imprimiu um email que recebeu de um paciente que ouviu sons pela primeira vez, me emocionei. O paciente dizia achava a rua barulhenta, que as pessoas falavam alto, mas que estava se adaptando, o trecho mais lindo ele dizia que um dia, abriu a torneira, encheu as mãos com a água e soltou, pra saber o som que tinha a água e ficou maravilhado! Agradecia a meu pai e dizia que na próxima semana começava no novo emprego. Chorei ao ler isso, porque senti tão forte a mudança que meu pai provocou na vida dessa pessoa (e de muitas pessoas).

Aí pensei que, meu trabalho não muda a vida de ninguém. Sou analista de Portos e Navios, especializada em logística de Marinha Mercante. Meu trabalho muda o bolso de muita gente, mas não muda a vida de ninguém. E cheguei a conclusão que, sem grandiosidades, pelo menos a vida de uma pessoa eu mudei: a minha.

Amanhã é meu primeiro dia de trabalho.

4 comentários:

Ariadne disse...

Ai, Bee, quanta coisa linda vc escreveu neste post. Estou aqui torcendo por vc, que vc tenha muito sucesso e sorte nessa nova jornada. Tenha certeza que 2009 será brilhante e, falando em mudanças, esse ano será de muita mudança para mim tb. Te amo, saudade!

kelly disse...

carlinhaaaaaaaaaaa, tenha certeza q tudo vai dar certo!!!!!
esse ano promete muitas mudanças, enormes e sempre pra melhor porq quem anda gosta de andar pra trás é caranguejo!!!!! Vamos q vamooooos....

Eliza Leopoldo disse...

Viver de verdade é algo por si só grandiosos, chérie.

Bisous.

Carol disse...

Amiga,

Estou aqui num cyber chorando.
Que orgulho de você, amada.
É bom saber que pra todas nós esse será um ano de mudanças.
Tudo acontecendo ''parecido'' em nossas vidas. Cada uma no seu tempo e lugar, mas com vontades e anseios tão parecidos.
Te amo!
Boa sorte!!!